Agridoce

Opinião com um gosto agridoce.

Posts Tagged ‘ajudar’

Coisas que aprendi quando era criança.

Posted by Andrea Fu em 05/04/2009

1. Não usar a casa dos outros como sua própria casa

 

Um elefante incomoda muita gente, na minha casa incomoda muito mais
Sim, claro que você pode se sentir à vontade quando te dizem para fazê-lo. Claro que pode sentir-se em casa quando dorme na casa dos outros, mas tudo com limites. Tudo deve ser feito como se, na sua casa, houvesse visitas constantemente. Assim, você se sentirá a vontade na casa dos outros como os outros se sentirão bem com a sua presença.

2.       Lavar a louça depois de usar

Eca!

Eca!

Demorei em entender que a vida fica uma nojeira depois que você come. Só fui aprender quando saí de casa e fui dividir apartamento com outra pessoa. A louça simplesmente torna suas próximas refeições nojentas e a vontade de comer desaparece.

3.       Nunca mentir

Percebi que você mente!

Percebi que você mente!

Mentira tem pernas curtas ou quem mente fica com nariz grande. As mentiras ficam piores quando as pessoas enganadas a percebem. Para o mentiroso, a coisa parece mais fácil, mesmo depois que descobrem. Para quem ouve uma mentira e a percebe a mágoa, o sentimento de que está escrito “idiota” na sua testa aumenta muito mais do que o normal. Você mente para não magoar ou para se engrandecer, mas acaba magoando ou se tornando um idiota para quem percebe a mentira.

4.       Organizar as coisas

Vixi!

Vixi!

Isto é bem importante, principalmente se você está precisando das coisas em ordem. Eu saio meio atrasada para os lugares e a roupa passada ou pronta para ser usada se torna um diferencial. O problema é a preguiça de passar a roupa. Maior problema ainda é o tempo que você tem para procurar outra roupa porque a sua não está passada.

5.       Não deixar os outros esperando

atrasado

Esta eu ainda não aprendi muito, mas sei o que é ficar esperando por alguém. Sei também o desespero que dá ficar esperando alguém. Walcyr Carrasco escreveu o texto “Eu não quero ser Freud”, para a revista Veja São Paulo. Ele fala sobre um dos amigos dele que chega com quase uma hora de atraso em um dos encontros, o que o irrita muito. A desculpa está na sua infância. O autor diz que ninguém é obrigado a entender seus problemas para perdoar um erro. Eu tenho problemas e os outros também têm, por isto devem ser considerados os pontos em que você não cause problemas para ninguém, nem para si mesmo.

6.       Ajudar quando pode ajudar

Piegas, mas verdadeiro.

Piegas, mas verdadeiro.

Não precisa ajudar gente que pode se ajudar, mas pessoas que não tem outro jeito de se ajudar. Isto quer dizer, se aquela pessoa precisa de carona e você pode dar aquela carona, porque vai passar, pelo menos perto de onde ela vai parar, dê a carona. Isto ajuda muito! Se você pode ensinar a fazer uma conta de matemática pra um filho de um primo de um colega, ensine. Isto vai ajudá-lo, mesmo que minimamente no futuro. Se um mendigo te pedir esmolas, não dê. Pois é assim que se cria a cultura de que no Brasil ninguém morre de fome mesmo morando na rua.

7.       Os incomodados que se mudem

Buááá!

Buááá!

Se você se incomoda com uma situação, se a vida está insustentável porque vive de certa maneira que te prejudica, mude. Pare de reclamar o tempo todo. Mude sua vida quando você quiser mudar de vida. A reclamação constante não te fará melhorar. Só te fará piorar sua auto-estima e estagnar sua condição.

Bom, estou irritada hoje e muita da minha irritação tem a ver com este blog. Não todas as partes, mas muitas delas. As pessoas não me entendem porque outras pessoas distorcem o que eu digo ou o que faço. Este é um texto pessoal e nada imparcial.

Espero que tenham aprendido pequenas lições como estas quando criança. Se não, aprendam agora. E usem para melhorar a sua, e exclusivamente sua, vida.

Posted in Comportamento | Com as etiquetas : , , , , , , | 4 Comments »

 
%d bloggers like this: